sábado, 5 de julho de 2008

Supernovas

Vida de artista. E não é que a Amy Winehouse, depois do susto de um possível efisema, saiu do hospital fumando, já fez três shows e até bateu em fã? Só resta saber se ela não está forçando a barra ou está realmente bem. A perceber pelos comentários do Rock in Rio – Madri, a voz dela está fraquinha, e quem roubou a cena por lá foi a Shakira.


Show. Falando em voz fraquinha, a Björk fez um show com o Sigur-Rós, transmitido na semana passada ao vivo pela internet, e o que se pôde ver foi que, apesar do ânimo, a sua garganta estava com problemas e a voz cansada, tanto que cancelou um show que faria alguns dias depois. Mas vale muito a pena ver o vídeo dela tocando “Gobbledigook” com o Sigur-Rós, música do novo disco da banda, que vale a pena ser ouvido – uma coleção de músicas por vezes com uma sonoridade mais pop do que seus álbuns anteriores, e por outras soando com o Sigur dos primeiros discos. (Sigur-Rós - Með suð í eyrum við spilum endalaust 9/10)


Single. E essa semana finalmente chegou o meu single de Wanderlust, da Björk. Podem me acusar de fanático, mas é o single mais legal de todos os tempos. Várias caixas sobrepostas, com frases da letra escritas em cada uma; um cd com a canção e remixes legais, como o do Ratat; três adesivos com os ‘personagens’ do clipe; um dvd com o clipe em 2D, 3D e um vídeo de como foram as filmagens; e, finalmente, um óculo 3D para assistir ao clipe. Wanderlust, além de ter sido minha escolha como melhor música do ano passado, vem neste “kit” como uma verdadeira experiência sensorial. (Björk – Wanderlust 10/10)



DVD. Por fim, falar de um filme que assisti ontem e é bem interessante – The Bubble (no Brasil, A Bolha). Lançado em 2006, conta a história de dois homossexuais – um palestino e outro judeu – enfrentando, muito além das barreiras sociais contra a orientação sexual, as barreiras da guerra étnica, política e religiosa existente em Israel. Confesso que no começo pensei ser um filme boboca, mas o buraco é mais embaixo: ao longo do filme, pode-se sentir na pele como deve ser um palestino vivendo em meio ao ódio e separatismo. Ah, a trilha sonora também é ótima – Bright Eyes, Keren Ann e Belle&Sebastian sempre são muito bem-vindos. (The Bubble 8/10)

8 comentários:

Bedeluxe disse...

Vou ver então, porque pensava justamente que fosse outra porcaria gay, tipo terceiro travesseiro... mas pelo que vc falou parece interessante.

Ronaaaldo disse...

Salve! Vim conferir o blog aqui, e vou por na minha lista de coisas para ler sempre!
Abraços!

Anne Elise disse...

Vou procurar este filme...

Valeu a dica...

Super beijo...

Fabio disse...

Vc nao vai lembrar, mas esse filme tava passando no cinema do shopping novo batel e convidei trinta vezes e vc nao foi ver comigo...humpf

Dias

Jean Souza disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jean Souza disse...

invejinha do single da bjork.

cara, acho q já vi todos os filmes do diretor de bubble. tem outro, chamado walk on water, que é ótimo! yossi and jagger tb é lindo.

abraços from rio!

Gustavo Basso disse...

Assisti the bubble no começo de 2007 pela primeira vez... MUITO BOM O FILME! *-* O final eh maravilhoso e a trilha sonora eh perfeita...

pitanga disse...

Poxa, gostei mt desse filme! Uma coisa que eu achei interessante é que além de várias questoes pertinentes, ele tb mostra um pouco como todos os jovens no mundo tem mts coisas em comum. A vida desses jovens em Israel tem toda uma tensao devido às questoes políticas da regiao mas tb tem os mesmos questionamentos que todas as pessoas a minha volta (e eu tb) têm, poderiam perfeitamente ser nós. Ou seja, os outros lugares do mundo as vezes nao sao completamente diferentes do "nosso lugar" como a gente as vezes acha.