domingo, 13 de julho de 2008

O Pequeno Príncipe


Já ouvi comentários do tipo “não preciso de filosofia do Pequeno Príncipe agora” ou “é o livro das misses”. E cada vez que volto a ouvir algo do gênero me convenço que estas pessoas não captaram a essência do livro.

A leitura do Le Petit Prince traz à tona, cada vez que feito, uma nova visão para a sua realidade e experiências. Isso porque, na trajetória do nosso personagem, vamos aprendendo com ele pequenas lições de vida que podem e devem sempre ser levadas em consideração.

A raposa, a grande vilã das galinhas, ensina o verdadeiro valor de uma amizade, e ensina o significado do que seja cativar uma pessoa. Isso eu acabei carregando comigo de tal forma que eu sempre questiono: “você me cativa?”. Muitas vezes acabamos nos envolvendo com pessoas que, se fizermos esta esta pergunta, teremos uma resposta negativa – pessoas que por vezes não têm nem muito a ver com a gente ou que não se esforçam o mínimo para nos cativar. Ou o contrário, conhecemos pessoas que em questão de poucas horas já conseguiram nos cativar, e acabamos levando-as para o resto da vida, de alguma maneira.

Além disso, a raposa também ensina ao Pequeno Príncipe o seu grande segredo: o essencial é invisível aos olhos. E não é? A frase pode parecer batida numa rápida leitura, mas também pode ser levada como um grande balisador para várias coisas, em um mundo de efemeridades que deixamos acontecer.

Só estas duas mensagens já me convencem de que o Pequeno Príncipe é daqueles livros que devemos ler para os nossos filhos, sobrinhos, netos e, principalmente, lermos várias vezes durante a vida, para que possamos sempre repetir a importância destas coisas tão simples, mas tão importantes.

10 comentários:

Anônimo disse...

O capítulo da raposa é um dos mais significativos do livro, com certeza.

Outra lição importante dela: "tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas."

C. Pitanga disse...

Outra: "o tempo que vc gastou com tua rosa que fez dela a única para vc" ou algo parecido.
Abraço little brother

Pitango II

Adeus disse...

Nossa Pitango, concordo com todas as letras do que você escreveu.

O Pequeno Príncipe realmente traz à tona uma nova visão para a realidade de cada época que você lê. Eu sei disso, já o li três vezes em diferentes épocas da minha vida, cada vez descubro algo de novo e me identifico de uma forma diferente.

É um lindo livro de aprendizados essenciais para a vida.

Saudades daqui, finalmente postei no blog contando como foi o show, apareça lá. :)

Um abraço grande.

Anne Elise disse...

"O essencial é invisível aos olhos"...
Linda verdade!!!

Esse livro está entre meu favoritos...

Beijo grande...

Ronaaaldo disse...

Muito pertinente o post! Bom estudante de francês que sou, *cof cof*, reli faz pouco tempo este clássico na versão original. E realmente, o livro é fascinante justamente por ser voltado ao público infantil e ao mesmo tempo exigir maturidade para compreendê-lo. Acho que por isso, a cada releitura, uma nova interpretação.

Foguinho disse...

Nem preciso dizer o que penso em relação a esta obra e esta personagem em si.Por isso eu sempre digo: O essencial é invisível aos olhos.Sempre.
Talvez eu me camufle atrás do nome para poder ver da maneira um pouco da maneira como ele vê.
O nome me foi batizado como brincadeira e acatei de tal forma que cada coisa que vejo na vida sempre terá essa premissa para me ajudar.
Abraço guri, obrigado pelo post.

Princesa Framboesa disse...

Com ceteza seu texto é de profunda reflexão...
Deveram interesante tbm...

Mas quel mensagem subliminar está na palavra cativar? Ja pensou nisso?

vc me parece alguem com que gostaria de debater assuntos.Meu blog está a sua disposição para uma resposta.
=*

fer junges disse...

é.. eu li quando criança, mas esses dias estava pensando na "tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas".
às vezes a gente pensa que pode entrar e sair da vida das pessoas quando quer e não é bem assim...
quando a gente cativa alguém precisa ter cuidados com essa pessoa.
E inúmeras outras coisas que dá pra se tirar de uma das tantas frases impactantes do livro... e das tantas outras interpretações que cada um dá quando lê.

Anônimo disse...

e que feliz estou ao voltar à ativa na blogosfera e deparar com um texto inteligente e infinitamente profundo!!!!
O livro O Pequeno Príncipe não tem nada de pequeno, pelo contrário, é tão grande(em sentimentos) q só fui entender mesmo o seu real significado quando precisei de algo mais na vida. è de uma profundidade impressionante!!!!
e até hoje penso que o cativar está em extinção e ouvi há poucos dias, da pessoa que me cativou e eu a cativei e que sabe bem disso, que eu insisto em tencionar em cativá-lo novamente. ae pensei: ou vc cativa uma pessoa ou nao. uma vez cativada, sempre estará em seu coração...enfim....a palavra cativar é tão mas tão intensa q nao sei explicar, apenas sinto.

beijo, Gisele
www.inventandoagentesai.blogspot.com

Jean Souza disse...

amizade é realmente uma coisa crucial, sem dúvida, assim como ser cativado por algúem...

engraçado que tenho um 'pequeno' trauma com O Pequeno Príncipe: fui obrigado a ler enquanto era muito 'pequeno' ainda. acho que deveria ter lido sendo um pouquiiinho mais velho.

acabei sendo cativado é por outro livro: O Menino Maluquinho. este me cativou tanto que não lembro quantas vezes reli!

abração,cara!