segunda-feira, 11 de abril de 2011

Londres: parte 4

A continuação da minha estadia em Londres veio com uma visita ao Natural History Museum e sua completa viagem ao mundo da ciência natural: é possível aprender um pouco sobre todos os tipos de seres vivos, inclusive entender melhor a nós mesmos como animais. A área mais disputada, certamente, era a dos dinossauros, com suas ossadas e curiosidades. O prédio que abriga o museu é uma linda construção, e o hall de entrada impressiona pela beleza e tem como "recepcionista" um grande esqueleto de dinossauro. Cada atração possui vários artigos de interatividade, o que diverte, principalmente, as crianças. Pena que muitos deles já apresentam sinais de defasagem, sinal da necessidade de já pensarem em melhorias e reformas. 

À tarde fui a um bairro que não conhecia, o Camdem Town, uma das melhores surpresas dessa viagem. Foi sair da estação de metrô e sentir-se em casa. Vários mercados e feiras formam um atrativo à milhares de pessoas que lotam o lugar, além de uma porção de lojinhas alternativas e de artigos bem interessantes. Um dos mercados fica dentro de um antigo estábulo de cavalos. Ao que consta, em 1854 algumas pessoas começaram a levar artigos para serem vendidos nos estábulos, e logo o local tornou-se uma feira.

 

 Uma das lojas mais conhecidas da região é a Cyberdog, especializada em artigos para raves. Imagine uma loja com música às alturas, vendedores crazy e coisas bizarras para se usar nas festas, tudo isso em vários ambientes, inclusive um sex shop. Interessante!

Do Camdem foi hora de ir a uma peregrinação por bares do Soho. O bairro é agitado o tempo inteiro, com atrações para todos os gostos. Eu me apaixonei por lá e o seu ar boêmio é super convidativo a deixar alguns pounds por lá. Essa aura que envolve o Soho é de tempos atrás. Em um livro que estou lendo no momento, chamado London Calling, dá para entender como o Soho se tornou, no pós-guerra, um centro de boemia e contracultura, com personagens marcantes e suas muitas histórias. Conhecer mais sobre ele só dá ainda mais vontade de voltar.

Até então eu não havia feito muitas compras - estava reservando um dia especial para isso. E este dia chegou. Na manhã seguinte, fui em direção à Oxford Street, a poucas quadras do hostel. A rua é templo do consumo e tem de tudo para os mais variados gostos e bolsos. Uma perdição são as grandes lojas, como a Primark, Topman e H&M, em que se pode achar coisas bacanas a um preço bem justo ou, em alguns casos, extremamente barato. É aí que se vê que no Brasil pagamos caro por qualquer coisa que tenha um design mais bacana. Lá não, para roupas, o dinheiro rende. É claro que fui também a lojas como a Selfridges, outro templo de consumo, mas para carteiras mais abastadas: não dá para esperar nada muito barato de brands como Gucci, D&G e Louis Vuitton.

O dia terminou então com um bocado de sacolas na mão, mas com um sorriso no rosto. Mal eu sabia que muitas compras e passeios ainda vinham por aí.

2 comentários:

onewaymonologue disse...

você teve muito mais oportunidades de visita que eu quando fui. :(
mas já tô feliz pensando que em menos de um mês entrarei em uma topmen e H&M. :)

www.guccihandbagsoutlet.org disse...

lin Are the famous Dior with coach bags the late princess Diana British rose - closely related. It is such "intimate relationship" makes Dior are endowed Coach Hampton Bags with "beautiful and charity" content. Dior and Diana are the first Coach HOBO Bags intimate contact in 1996. When the princess Diana attended the Grand Coach Leather Handbags palace held a Grand Palais Paris "Cezanne Jacques Coach Luggage Bags Chirac exhibition", the wife of the President of the French Coach Maggie Bags madam (new) will be a Dior handbag has given her. This a Coach Patchwork Purse handbag, henceforth let Dior and beauty are charity, elegant, an Coach Sabrina Bags indissoluble bond. Princess proves that what is the coach outlet online perfect combination of elegance and beauty. So, the birth of the near handbag in 1996 renamed are Dior to show his princess Diana sincere respect.