quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Relato de Viagem - Parte Final: Paris


Antes de qualquer coisa, na última postagem esqueci de mencionar que estivemos nos Jardins de Luxemburgo, um dos meus lugares favoritos em Paris. No verão é lá que muitos estudantes sentam-se em seus gramados, tomam vinho e aproveitam os fins das longas tardes. 

Mas continuamos nossa jornada pela cidade. Depois de visitarmos Montmartre, era hora de subir a Torre Eiffel. Na primeira vez que estive em Paris não tive essa oportunidade, então era hora de ver a Cidade-Luz pela vista deste cartão-postal parisiense. E esta vista não decepciona - apesar do tempo não ajudar muito, pudemos apreciar vários pontos da cidade lá de cima. Não tínhamos muito tempo para ficar lá, então pegamos elevador antecipadamente, já pensando nas possíveis filas para o mesmo. Quando chegamos lá embaixo, notamos um grande movimento de pessoas saindo da torre. Logo fomos avisados que houve uma denúncia de ameaça de ataque terrorista ali, e em questão de minutos todo mundo saía dali, muitos correndo e nervosos, incluindo funcionários. A redondeza da torre foi tomada por carros de polícia e as ruas isoladas. O caótico trânsito da cidade estava impedido de passar por perto. 



Foi um grande susto, mas depois soubemos que foi uma falsa ameaça, para o bem de todos. Seguimos rumo ao Bateaux-Mouche para um passeio noturno pelo Sena. Ver Paris iluminada pelo rio foi um lindo passeio, em que várias sensações se misturam: foi mais uma amostra de que esse lugar é inesquecível. Voltamos então ao hotel para descansar.



Dia seguinte foi a vez de irmos conhecer La Defénse, um dos lugares mais anti-Paris na própria Paris: são vários prédios comerciais de arquitetura contemporânea, homens de negócio passando e uma atmosfera que foge do romantismo do resto da cidade. O Grande Arche, construído para o bicentenário da Revolução Francesa, mesmo não sendo dos mais "queridos" monumentos franceses, surpreende por sua grandiosidade e imponência. Ali ainda fomos ao Les Quatre Temps, um shopping com boa variedade de lojas e restaurantes, que se extende à estação de metrô. Depois do almoço, hora de passar nas Galerias Lafayette, fazer comprinhas (algumas belas camisas, diga-se de passagem) e aproveitar a vista do seu terraço. Fomos então ver a faixada do bonito prédio da Opera, e no fim de tarde rumamos ao hotel para a nossa última noite ali.
Amanhecemos no ritmo de arrumar malas e curtir as últimas horinhas. Deu tempo somente para uma longa caminhada pela Champs-Elisées e pela avenida Montaigne, rua famosa por concentrar todas as grandes maisons da moda mundial: Dior, Chanel e assim por diante. Foi interessante verificar o movimento ao redor destas lojas e seus elegantes frequentadores. 

À tarde já voltamos ao hotel, para esperar por Carlos, o motorista que nos levou ao aeroporto em uma corrida tensa pelo trânsito. Foi ali que descobri que os parisienses dirigem de uma maneira caótica, de um jeito que eu acho que não me daria bem com meu carro nas ruas dali! :)

Chegava a hora de partir. Íamos embora dali com boas histórias, lembranças e emoções em nossas memórias e corações. Foi uma viagem por lugares encantados e cheios de história e que, de certa maneira, agora guardam um pouquinho da nossa...

Não há como falar dessa viagem sem agradecer a Deus e também à minha mãe, companheira pelas longas caminhadas, pelas aventuras gastronômicas, compras e tudo o mais que vivemos nesse dia. Uma grande mãe e uma grande amiga.

E que venham mais viagens por esse mundo que nos espera!

PS. Os serviços dessa viagem foram prestados pela New Line Tour, no Brasil, e pela Condor Vacaciones / Special Tours, na Europa.

Um comentário:

Anne Elise Previdi disse...

Poxa, até que enfim apareceu sua "mamucha" por aqui, heim???!!!...Eu estava começando a achar que vc tinha ido viajar sozinho...rs!!!

Beijões!!!